Inácia – Texto por Eriberto Henrique

INÁCIA

Seu nome foi encontrado em uma tumba secreta, escrito em um pergaminho, envolvido em fios de ouro. Diz a lenda que aqueles que tocarem no pergaminho ficarão presos eternamente em uma maldição. O pergaminho foi guardado por uma das concubinas de Tutankhamon. Escrito em uma língua que surgiria para combater a força dos maus espíritos. Anos depois a língua foi desvendada pelos romanos, e a tumba esquecida nas ruínas de Tebas. A igreja católica fez questão de esconder o segredo, pois havia um boato na época que esse era o nome que Eva daria a sua filha depois de ter sido expulsa do paraíso. O nome foi uma indicação da serpente, sussurrado enquanto Eva dormia com Adão.
Mas o que se sabe realmente, é que no submundo do Egito, uma história é contata como dito popular. A rainha Cleópatra se sentiu atraída por uma de suas escravas, uma bela mulher que era muito desejada por todos, essa mulher veio do baixo oriente, e falava uma língua que ninguém conseguia compreender. Ela possuída uma pele de seda, bronzeada pelo sol, a morena de cabelos longos e encaracolados, tinha olhos cor de areia, e se chamava Inácia. A sua descendente, séculos depois, foi queimada na fogueira como bruxa, condenada pela igreja, sobre a acusação de enfeitiçar um sacerdote. Que foi encontrado acorrentado e sem as suas vestes, tendo seu membro enrijecido sendo abocanhado pela jovem.

Eriberto Henrique.