Conselho de Segurança recusa proposta russa de condenar ataques à Síria

Compartilhe!

O Conselho de Segurança da ONU rejeitou neste sábado (14.abr) por 8 votos a 3 uma resolução da Rússia que pedia a condenação dos ataques à Síria feitos por Estados Unidos, França e Reino Unido na noite anterior. Os bombardeios foram uma resposta aos ataques com armas químicas supostamente realizados pelo governo sírio de Bashar al-Assad no último sábado (7.abr), na cidade de Duma.

Aliada da Síria, a Rússia convocou a reunião de emergência. Já é a 5ª vez na semana que o conselho se reúne para debater a situação do governo de al-Assad.

No encontro, o embaixador russo Vasyl Nebenzia acusou as nações que ordenaram o ataque de “pisotear a Carta das Nações Unidas e o direito internacional” e “colocar a política internacional e a diplomacia no reino da criação de mitos inventados em Londres, Paris e Washington”. A representante dos EUA, Nikki Haley, declarou que o presidente Donald Trump não descarta realizar outro ataque. “Falei com o presidente nesta manhã e ele disse: ‘se o regime sírio usar novamente este gás venenoso, os Estados Unidos estão engatilhados e prontos para atirar”, declarou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu moderação aos Estados-membros e que evitem “atos que possam gerar uma escalada”.

Além do posicionamento de repúdio, a proposta pedia o fim imediato do uso de força por parte dos 3 países. Apenas Rússia, China e Bolívia votaram a favor. EUA, Reino Unido, França, Holanda, Suécia, Kuwait, Polônia e Costa do Marfim se posicionaram contra a resolução e Etiópia, Cazaquistão, Guinea Equatorial e Peru se abstiveram.

ATAQUES

O bombardeio contra o regime de Bashar al-Assad foi anunciado na noite desta 6ª feira em pronunciamento do presidente norte-americano, Donald Trump.

De acordo com o Pentágono, os alvos foram cuidadosamente escolhidos para reduzir ao máximo a chance de vítimas civis. Os 3 alvos atingidos ficam na região metropolitana da capital Damasco, na parte leste da Síria. Os locais atacados são bases militares do governo sírio de onde teriam partido os ataques com armas químicas.

Compartilhe!
Marcelo Júnior
Escritor, CEO Fundador & Diretor Proprietário do Mistérios Literários.

Os comentários estão desativados.