Entrevista com o escritor Kenny Teschiedel

Compartilhe!

Queridos leitores do Mistérios Literários, Aqui está uma breve entrevista com nosso escritor parceiro Kenny Teschiedel, autor do livro Toda Forma de Amor.

Informações técnicas do livro:
Lançamento – 13.09.2013
Editora: Ekos Editora, Campo Grande/MS
Páginas: 120
ISBN: 978-85-8150-136-9
Categoria: Contos.
Sinopse: (por Isabela Schwengber) Aqui começam instigantes casos de amor. Alguns à primeira vista, efêmeros, de verão. Outros para toda a vida, mágicos e sedutores. Tem ainda os transgressores, imorais. Há quem encontre nos contos deste livro amores improváveis, fantasiosos, surreais. Aos sonhadores tem os literários, históricos ou platônicos. Lendo com calma, encontram-se os contemporâneos, reais, adolescentes de tirar o fôlego. Para os descontrolados, tem os passionais, ideal para quem sente prazer na dor, nem que seja a dor de quem morre de amor.
Currículo: Kenny Teschiedel nasceu em novembro de 1992, é psicólogo e Pós-Graduando em Psicanálise. Natural de Erval Seco, interior do estado do Rio  Grande do Sul, reside desde os 17 anos em Dourados/MS, quando conquistou a oportunidade de cursar o Ensino Superior. Já atuou como redator, em um jornal, e manteve, em 2011, o blog Tarja Preta – que, por decisão sua, preferiu suspender as publicações para veicular material inédito em sua obra. Atualmente, trabalha como Psicólogo clínico em seu consultório e dedica-se à literatura em dois trabalhos paralelos: um caderno de poesia e um romance. Além disso, aguarda o momento ideal para o lançamento de “Toda Forma de Amor II”, já concluído.
Entrevista:
01.Pretende fazer, faz alguma faculdade ou é formado?
Sou psicólogo,  atualmente cursando pós-graduação em psicanálise e,  ainda este ano,  pretendo iniciar nova graduação em Letras.02.Tem algum escritor especial que você admire? Quem? Porque?
Desde que li “Quase Tudo” (Companhia das Letras, 2005) –  o livro de memória de Danuza Leão -,  Fiquei encantado com a maneira pela qual a autora conduz seus sentimentos pela via da escrita e da maneira com que brinca com as palavras, utilizando toda sua sensibilidade.  Além de Danuza, aprecio Gabriel García Márquez pela alma Latina expressa com muita humanidade em sua obra.

03. Fale seus três livros favoritos

Eu poderia citar a trilogia “Delírio” (Delírio + Pandemônio + Réquien – Intrínseca, 2012, 2013, 2014). Mas, para ser justo, destaco a biografia de Leila Diniz, “Leila Diniz – uma revolução na praia (Companhia das Letras, 2008), escrita por Joaquim Ferreira dos Santos, que me instigou e continua me instigando a ponto de Leila tornar-se uma de minhas grandes inspirações, e também “Se eu fechar os olhos agora “ (Record, 2009), pelo tom romanesco dado à narrativa policial.

04. Qual o último livro que você leu? Fale um pouco sobre ele.
Minha última leitura concluída foi “Simon vs. A agenda homo sapiens” (Intrínseca, 2016), de Becky Albertalli, que contava os dilemas de um jovem de 16 anos em torno de sua sexualidade. Ao serem descobertas as conversas que mantinha com um paquera misterioso, o garoto passa a ser chantageado. Uma obra sensível, delicada e romântica, mas que mereceria ter abordado a temática de modo mais abrangente e com oportunidades de tratar o assunto mais pertinentemente.

05. Você possui alguma inspiração especial para escrita?
Minha escrita é regida, basicamente, por meus sentimentos. A música é as leituras que faço acabam exercendo muita influência em minhas concepções. Mas, gosto mesmo de transcrever ao papel – ou às minhas histórias – a tradução daquilo que existe dentro de mim. Um exercício de levar os sentimentos à palavra.

06. Sobre o que fala seu primeiro livro?
“Toda Forma de Amor” conta 20 estórias que têm o amor como pano de fundo. Amores possíveis, impossíveis, divertidos e trágicos. Se dão em diversas épocas, com pessoas reais e surreais, personagens de histórias já conhecidas, em cenários divergentes um do outro. Revelam as várias faces que o amor pode ter e tenta desconstruir a ideia de que o amor só é possível com um final feliz.

07.Tem algum personagem favorito do seu livro? Qual?
Eu costumo dizer que cada história contada é como um filho. Tenho um carinho por cada uma delas. Reconheço, contudo – tentando manter-me distante de hipocrisias -, que haja sim algumas pelas quais carreguem um sentimento a mais. É o caso é Harold, do conto “O diário secreto do Cavaleiro Mascarado”; Natasha, de “Natasha, a garota veneno”; e o casal protagonista de “A lenda da caixinha e música”, Tião e Esther De Lamare.

08. Você pretende mudar o gênero literário da qual escreve?
Já mudei (risos). Meu segundo livro ainda é a continuação e “Toda Forma de Amor “, que vem, dessa vez, tratando do título mais conceitualmente, ou seja, tentando definir as formas de Amor. Entretanto, já estou me dedicando a um romance e, paralelamente, componho alguns poemas, trabalhos que desejo publicar futuramente.

09. Costuma estabelecer alguma meta quando vai escrever?
Como não tenho compromisso com minha escrita, procuro deixar a mente livre para descarregar as ideias. Desta forma, acredito, o trabalho ganha mais identidade e se adapta melhor às ambições do autor. Até mesmo porque, muitas idéias que tenho vão emergindo ao longo do trabalho

10. Conte um pouco sobre seu dia a dia para os leitores!
Trabalho no período vespertino e noturno. Atendo em meu consultório particular e, à noite, no ramo da saúde (esta função, porém, não relacionada à minha formação). Os demais espaços são preenchidos por leituras, produções, afazeres domésticos e, também, à arte do sono (risos).

11. Na carreira como escritor, que parte julga mais difícil até hoje?
Minha experiência tão recente me apontou duas dificuldades: a publicação sem investimentos próprios e a divulgação do trabalho. Como não havia contato com outros profissionais, minha iniciativa, talvez, tenha me precipitado. Desta forma, meu livro tornou-se uma produção bastante tímida, longe do idealizado, mas que cumpriu sua missão.

12. Deixe uma mensagem para os leitores, pessoas que seguem e acompanham!
Acima de tudo, gratidão! Gostaria que soubessem do quanto me emociono ao saber do prestígio que dedicam à leitura de “Toda Forma de Amor” e que, se pudesse ser um pouco pretensioso, lembrá-los a importância que têm para que meu trabalho seja estimulado. Cada um de meus leitores representa um elo nessa corrente em nome da justiça por toda e qualquer forma de Amor!

 
Siga o escritor nas redes sociais: 
facebook.com/kenny.teschiedel
Insta: @kennyteschiedel
Kenny, muito obrigado pela entrevista, sucesso em sua carreira! 
 
 
Compartilhe!
Marcelo Júnior
Escritor, CEO Fundador & Diretor Proprietário do Mistérios Literários.
  • Lua

    Ele é um encanto, o livro também. Ganhei um com uma dedicatória linda, vou postar semana que vem.Muito amor, Lua xhttp://www.meumundodalua.com/

  • Olá! fiquei interessada em conhecer mais esta obra. Adoro contos e falar de amor nunca é demais né! Muito bacana a sinceridade do autor diante de sua obra. Achei fantástico e sobre o romance e as poesias, já fiquei curiosa para conhecer! =DParabéns e sucesso!

  • "Toda Forma de Amor", que título lindo. Gosto de livros que falam do amor. Partindo daquele romance leve e tranquilo até aquele romance avassalador. Fiquei super curiosa em conhecer o livro. Gostei da sua entrevista.http://www.livrofilia.com/?m=1

  • Acho bem interessante fazer entrevista com autores, afinal sempre queremos conhecer um pouco mais!!! Muito interessante esse livro!!Onehttp://onebooksoficial.blogspot.com.br/

  • Não conhecia o autor e adorei a entrevista. Gostei que foi contado também um pouquinho sobre o que é o livro e fiquei encantada. Tenho uma certa resistência a contos (nada em especial, só porque nunca li haha) mas já está mais do que na hora de tentar. Sucesso ao autor!!

  • Entrevista maravilhosa e o autor parece ser super gente boa.já quero ler esse livro…

  • O título do livro é lindo, e o autor é um poço de simpatia.Adorei a entrevista, beijinhos 🙂

  • Muito legal a entrevista. O Autor aparenta ser uma pessoa incrível. E já preciso desse livro <3

  • Adora as entrevistas daqui, continue sempre 🙂

  • Deveria ter citado a CÁPSULA…Só acho! kkkk… Bjo Kenny.