O exorcismo que se transformou em um caso de assassinato

Compartilhe!

Em uma vila escondida em Nicarágua, tão escondida que não se acha nem nos mapas do Google, aconteceu uma tragédia. Uma mulher que sofria de um distúrbio mental foi queimada viva, sobe a alegação que a mesma tinha sido possuída pelo demônio. Ela ficou presa por vários dias dentro de uma igreja, onde não podia comer nem beber água. Um dia, os membros do culto tiveram uma “revelação”. O grupo de religiosos resolveu então preparar uma fogueira para “purificar” o corpo da mulher. Quando ela foi encontrada, ela ainda estava viva, porém, com grande parte de seu corpo queimado. Antes da mesma ser socorrida ela faleceu pelos danos severos que havia sofrido.

Vilma Trujillo

imagem08-03-2018-09-03-23

Aos 25 anos de idade, Vilma Trujillo sofria com um distúrbio mental. Subitamente ela começou a falar coisas sem sentido e ter surtos. Ela dizia que “daria a luz a uma serpente” e caía de joelhos “falando sobre o diabo”.  Não somente isso, essa jovem mulher de uma pequena aldeia na Nicarágua também alucinava e falava sozinha com ela mesma. Sua família disse que nunca havia a visto assim e que não sabiam o que fazer.

Você pode até pensar: “Por que não a levaram a um médico ou profissional da saúde?” Vilma e sua família moravam em uma aldeia chamada El Cortezal, de raízes muito religiosas e tradicionais. Não somente isso, a cidade mais próxima ficava a quilômetros de distânica. A pouco tempo Vilma e sua irmã haviam começado a frequentar uma igreja evangélica da comunidade. Por conta disso, o Pastor Juan Rocha disse que poderia ajudar. Segundo ele, se tratava de uma possessão demoníaca.

Exorcismo por fogo

imagem08-03-2018-09-03-24

Juan Rocha, pastor de 23 anos, junto com seus seguidores, levaram Vilma para um cabana um pouco mais afastada de onde eles realizavam seus cultos. Quando chegaram ao local, chamado Igreja da Visão Celestial, Vilma se submeteu a ficar lá por vontade própria. Isso até ela “melhorar”. Durante seis dias a mulher ficou sem água e comida enquanto era exorcizada. Ela apenas recebia as orações dos membros da congregação.

Contudo, em dado momento ela simplesmente não aguentava mais. Além de estar passando fome e fraca, ela estava sendo impendida de deixar o local. Ela chegou a pegar um machado para tentar quebrar a porta do lugar, mas foi impedida. Sua família não sabia o que estava acontecendo. Só era dito a eles que ela ainda não estava “curada”.

Foi então que no sexto dia de “exorcismo” um dos membros da igreja disse ter tido uma “revelação” enviada por Deus em seus sonhos. Para exorcizá-la e a mesma ir para o reino do céus seria necessário queima-lá. Inacreditavelmente, o pastor e seu grupo aceitaram a tal revelação e começaram a preparar uma pira para Vilma. Quando o “verdadeiro” exorcismo começou, sua irmã de 15 anos, que estava presente na igreja diz ter ouvido ela gritando: “Eu vou morrer, eu vou morrer“. Um pouco antes de ser queimava viva, um dos membros entrou na igreja e disse para a irmã correr para procurar ajuda.

Homicídio

imagem08-03-2018-09-03-26

Era tarde demais. Quando a irmã de Trujillo foi na casa de sua tia, Vilma já havia sido queimada. Quando o pai de Trujillo e um grupo de resgate chegou ao local, sua filha estava semi-inconsciente, nua e com 80% do corpo queimado. Ela foi levada para casa, onde falou para seu filho de 5 anos de idade: “Os pastorzinhos me batizaram“. El cortezal é uma vila que mal tem eletricidade, não tem estrada asfaltada, não possui internet ou um bom sinal para celulares.

A família da jovem levou cerca de 12 horas para chegar na cidade mais próxima. Quando ela chegou no hospital, ela teve que ser encaminha para um hospital maior. Quando eles pegaram um avião para o outro hospital,  Vilma morreu no caminho. Ela teve um edema pulmonar e falência múltipla dos órgãos.

Quando questionaram o pastor porque ele havia queimado a mulher, ele alegou que ela estava endemoniada e que Deus havia ordenado para que eles a queimassem. Outro membro da congregação, ainda afirmou que ela havia sido possuída porque havia traído seu marido com outro homem. Vale citar que na verdade ela havia sido estuprada pelo tal homem. O pastor Juan Rocha, seu irmão Pedro José, sua Irmã Tomasa e Franklin Jarquín (marido de Tomasa) foram condenados entre 35 e 36 anos de cadeia por sequestro e assassinato.

Compartilhe!
Marcelo Júnior
Escritor, CEO Fundador & Diretor Proprietário do Mistérios Literários.

Os comentários estão desativados.